• Posted by : Felipe 13 de novembro de 2017



    Como começar a introduçao?  eu me pergunto,bem me apresentando, não que tenha necessidade,creio que alguns aqui ja me conhecem mas vamos-la: Prazer em conhece-los e em poder estar contribuindo para o Imperio ARS sou o rei caido Felipe ou alguns também de chamam por ai de silly goat,vai entender -_-,que foi acolhido pelo Maou - não se enganem pela aparência de Leandro ele é um demonio!!!! - e submetido a testes experimentais inumanos, esse maldito me jogou na cela do demonio conhecido como crazy Loli! Mas SOBREVIVI! mas como o lobo aguenta?, tratamento e compartilhei da companhia da princessa loli.



    A chefinha ama doces! ainda me vingo.
    Estou a estrear um novo projeto do ARS que se trata deste espaço publico,onde qualquer um pode estar criando algo e compartilhando por aqui sem compromisso com ser um criador por aqui ou algo assim -  Nice Ideia Maou! - acho que ninguém melhor que ele mesmo para falar disso,então aguardem somente darei um exemplo pratico do que alguem muito desocupado e com um mente quebrada pode fazer em um dia.

    Em um insid comecei esta obra,esta saga magnifica  centrada em um dos integrantes permanentes do CHAT do Ars,é uma versão bruta sem muita lapdação e com alguns pontos a melhorar a frente,só com uma ideia base a ser desenvolvida,este é o Cap.01 que eu havia feito a algum tempo,porém não tive oportunidade de dar andamento,mas finalmente ela surgiu e meu tempo livre aumentou,assim espero que gostem desse capitulo que é bem curto por sinal,estaria mais para prologo fora a parte que a historia já começou.



    Capitulo 01 – “Não quero acordar.”.




    Sons de correntes preenchem o ambiente, quebrando o profundo silencio daquele local. Um leve sorriso se esboça em seu rosto, envolto em escuridão naquele ambiente inóspito a própria vida, tão profundo abaixo da terra que a própria noção de tempo se perde.

    - Porque não podem simplesmente me matar logo? Pelo menos ela deve estar bem, viva uma boa vida criança.

    - Acorda de repente -

    Acho que disse em voz alta, não que isso importe não que alguém me ouça. Droga esse sonho maldito de novo, este sonho de tanto tempo, não me surpreende qualquer homem não ser tomado pela loucura nesta total isolação e silencio.

    - hahaha! – ele começa a rir quase se engasgando por estar com a boca muito seca.
    Afinal aquele idiota barulhento se aquietou, sabia que não ia durar muito até este jovem perder as esperanças, agora posso dormir em paz.

    Zzzzzzzzzzzzzzzz – entra em seu sono profundo novamente antes de, sem saber quanto tempo já se passou ser acordada por sons conhecidos, de correntes se arrastando no chão uma porta de ferro rangendo de tão velha ao abrir.

    Ai será que você realmente não pode ser nada gentil? – diz uma voz ao seu lado, ele riu pensando que fazia tempo que não aparecia um engraçadinho por ali, mas que logo ele pararia de fazer piadas, e logo franziu seu cenho ao lembrar que esses são os mais faladores então de imediato tenta voltar a dormir.

    O guarda faz silencio, mas ele já conseguia imaginar a cara boa, que ele não estava a fazer, ele simplesmente trancará a porta e dali continuou a caminhar ao longe ouvia-se seus passos cada vez mais inaudíveis, enquanto sumia naquele breu.

    - Olá companheiro – parecia dirigido a mim, então simplesmente ignorei.
    -Serio que vai me tratar assim? Oiiiii! Alguém ainda vivo ai? Que cara chato, bem vamos ter muito tempo para nós conhecermos mesmo. Eu sou Reficul e você seu ranzinza?
    -... - ele espera mesmo que eu responda?.
    - Então há quanto tempo esta aqui? – pergunta Reficul
    - já não sei mais, só sei que já faz muito tempo.
    - hm.. Que interessante ele fala! – cai em risada, às gargalhadas ecoam pelo corredor.
    - Cale-se que os guardas venham por aqui! Você ainda não viu nada deste inferno!

    O restante do tempo se passou assim, não havia como saber se era dia ou noite, mas uma certeza se tinha e era que ninguém ali naquele abismo prestava. E aos poucos os dois colegas de cela iriam se entendendo, ouvindo um a voz do outro que passava por alguns buracos na parede.

    XXX dias depois, a fome os domina, afinal refeições só eram uma vez a semana e nem decentes eram, mas sempre há um jeito, Reficul passa a lutar na arena, onde você pode conseguir privilégios ao entreter as pessoas em lutas até a morte. Reficul todos os dias saia da cela ao que parece os guardas o levavam e o torturavam em algum canto, mas ele sempre voltava com a mesma energia.

    - Ok Ok, Mas bem afinal oque você fez de tão ruim para ser mandado para cá? Senhor sem nome.
    - Como se eu deve-se alguma explicação, mas não poderia te dizer nem que eu soube-se, afinal nem lembro mais, apenas já há muito tempo me esqueci de quem eu sou, e minha única companhia são estes fantasmas em minha mente, mas já falei de mais e você?
    - Só estou aqui para passar o tempo mesmo.
    - OQUÊ? – exclama o prisioneiro antes de cair em uma profunda gargalhada – muito engraçado você, então desceu a este inferno feito por homens para passar o tempo?
    - sim e não afina vim para achar e ajudar uma pessoa a escapar, ou seja, você!

    O silencio se torna musica naquele instante, não se houve som das duas celas, seus vizinhos tentavam dormir somente o rangido das correntes tecia uma melodia que tomava forma, até tal melodia ser quebrada com simples e já esperadas palavras.

    - E se eu não quiser ser salvo? Oque fará senhor diabo?
    - Ai que você se engana eu não disse que iria te salvar - houvesse um grande estrondo, como a porta da cela se abrisse - Eu disse que iria te tirar daqui, não ligo se você quer ou não, ou se será vivo ou morto, não que eu possa te matar é claro, mas estou tentado a colocar sua resistência à prova... afinal você é o....nãh melhor não estragar a diversão você saberá mesmo – ouvisse se passos ao lado, correntes sendo arrastadas e se aproximando lentamente da  cela sombria onde ele estava, gritos, um cheiro forte de sangue, e mais gritos– Bem então vamos indo? – derrepente chaves são inseridas na porta sem tranca, o metal se retorcia.
    - Alias melhor sair da frente, Sr.serio por que farei um estrago aqui.
    A porta é então estilhaçada, seus pedaços voam para dentro daquela escuridão, aos poucos um pequeno rio de sangue chegava à entrada iluminada.
    - Será que eu o matei?...Oiiii? Alguém ai? Vamos logo se levanta temos um longo caminho ainda!
    - Eu disse que prefiro ficar aqui.
    - interessante, mas fui pago para lhe tirar então vamos.
    Algo é jogado em meio a escuridão, um cheiro forte toma conta do ambiente, de repente antes que reficul conseguisse piscar na frente dele estava o tal, quando ele vê já estava contra a parede com as costelas trincadas, o chão havia se rachado e via-se os elos de correntes no ar.
    - OH! Ele tem um rosto afinal, mas se eu fosse você não me agitaria tanto.
    - oque esta, você me drogou?! – sua visão embasa enquanto ele vai percebe o reficul ajeitando sua camisa como se nada tivesse acontecido, ao seu redor corpos, e um chão de sangue, por incrível que pareça ele não se sentia tão mau com aquilo.
    - Durma logo, nossa você é pesado! – exclama enguanto reclama em voz baixa - Quando acordar espero já estar fora daqui.

    Notas:


    Abismo: Prisão feita por humanos em uma localização desconhecida não se sabe se é em outra dimensão ou somente a baixo da terra, somente que o acesso a ela é difícil, e somente são mandados para lá os piores tipos, geralmente os que não podem ser mortos, seja por seu poder ou por outros motivos. Ninguém jamais escapou de lá.

    Sabe-se também que são realizados jogos clandestinos onde põem os prisioneiros para lutar por entretenimento os ricos apostam alto neles, e eles ganham alguns privilégios e promessas de liberdade, o - “Senhorserio” - nosso protagonista nunca foi liberto para lutar na arena, mas há muitos que queriam vê-lo lá.




    Reficul: não se sabe muito ainda sobre ele, ainda não foi vista nem sua aparência. Ele age de maneira lúdica, fala muito mesmo não tendo muita logica ao que parece é um assassino brutal ou apenas um mercenário, contrato para entrar no inferno e achar o “Sr. Serio” – não se sabe como ainda, afinal o “sr.serio” é o prisioneiro mais bem guardado e também o prisioneiro 000. Só pode ser um louco para topar fazer isso.




    ???: nosso protagonista, sem nome ou passado no momento, sem muito a dizer. Ele é calado e gosta de resposta curtas e diretas quando possível, não liga para muito, e vive entediado em sua cela, então fora dormir e dormir conversava com reficul nas horas que não tinha sono.

    Em breve - ou não - Capitulo 02: Despertar,A fuga do mundo estagnado.




    Então oque acharam? gostaria da opinião de vocês,se tme ideias sugestões ou pontos que querem ver ou melhorar só comentar a baixo! e claro se quiserem que eu de continuidade por terem gostado,coloquem a baixo - caso não queiram,ou não tenham gostado pararei por aqui mesmo.



    • Então é isso se gostaram não esqueçam de recomendar  e compartilhar,isso ajuda o Ars a crescer e também trara novos leitores para terem conhecimento desta iniciativa do Maou - e para ver esse Conto que escrevi para passar o tempo ^^.


    0 comentários

  • Copyright © - ARS NOVA ANIMES - ARS NOVA ANIMES - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan